More
    InícioSanta Maria da FeiraSanta Maria da Feira atinge novo mínimo histórico de perdas de água...

    Santa Maria da Feira atinge novo mínimo histórico de perdas de água nas redes de abastecimento

    Em 2000, ano de início da atividade da INDAQUA Feira, 47% da água que entrava nas redes de abastecimento não chegava aos consumidores, perdendo-se no meio ambiente. Em 2013, estas perdas eram já menos de metade das iniciais, fixando-se nos 22%. Nos últimos (quase) 10 anos, os resultados têm sido melhorados consecutivamente.

    Dados da concessionária mostram que o volume de perdas nas redes de abastecimento do concelho ficou, em 2022, pelos 16%, menos 1,6 pontos percentuais (p.p.) do que em 2020 e menos 2 p.p. do que em 2019. Apenas em 2021 houve um ligeiro aumento para os 18,3%, apesar de esse valor manter Santa Maria da Feira dentro do limite máximo recomendável estabelecido pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (20%).

    Estes valores contrastam com os resultados nacionais do indicador “Água Não Faturada”, que avalia estas perdas. Em 2021, a média do país situou-se nos 28,8%, correspondente a 237 mil milhões de litros de água por ano, num valor que se mantém relativamente constante há mais de uma década. 

    “Acreditamos que o caminho de investimento na operação, manutenção e reabilitação de redes que temos traçado vai permitir à INDAQUA Feira alcançar ainda melhores resultados nos próximos anos. Porém, o volume de perdas registado neste concelho é já positivamente assinalável e também a prova de como é possível promover a sustentabilidade ambiental, nomeadamente, a poupança de água, partindo de uma melhor gestão das nossas redes”, afirma Daniel Cardoso, Diretor Geral da INDAQUA Feira.

    O indicador “Água Não Faturada” engloba, essencialmente, as perdas geradas por fugas, roturas, derrames em reservatórios ou outras ineficiências que fazem com que a água que entra nas condutas nunca chegue a ser consumida e que representam cerca de 74% do total. Somam-se ainda as perdas comerciais que acontecem junto do consumidor e envolvem consumos ilícitos (roubos ou desvios de água) ou mesmo de deficiente contabilização dos consumos devido a contadores obsoletos.

    Na média de concessões operadas, em 2021, pela INDAQUA (Santo Tirso/Trofa, Vila do Conde, Santa Maria da Feira, Matosinhos e Oliveira de Azeméis), as perdas de água ficaram pelos 14,3%. De acordo com os dados da empresa, em 2022, esta percentagem foi reduzida para os 12,4%, contando com uma melhoria generalizada do desempenho e já com as mais recentes concessões do grupo: Barcelos, Marco de Canaveses e Paços de Ferreira.

    Redação
    Redação
    Na redação trabalhamos diariamente para o informar de uma forma isenta, trabalhando apenas a verdade. Porque sabemos que preza o nosso valor, porque sabemos que nos segue, nos lê e nos dá o seu apoio.

    MAIS VISTAS

    PUBLICIDADEspot_img