Albergaria e as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril

Data:

As comemorações dos 50 anos do 25 de Abril começaram, em Albergaria-a-Velha, com a apresentação dos símbolos comemorativos: a edição comemorativa “A Assembleia Municipal de Albergaria e os seus membros: 50 em Democracia”, uma peça de porcelana evocativa dos 50 Anos do 25 de Abril, e um cravo de croché, imaginado e feito manualmente pelas seniores da Oficina Criativa do Programa Maior Idade.

Os símbolos foram entregues, como reconhecimento público, a representantes dos órgãos representativos do Município (a Câmara e a Assembleia Municipal), dos partidos políticos representados naqueles órgãos municipais (CDS; PPD/PSD; e PS) e da imprensa local (Jornal de Albergaria e Beira Vouga). Para o Presidente da Assembleia Municipal, Mário Branco, estamos perante os “intérpretes” dos três legados do 25 de Abril: “o Poder Local, os partidos políticos livres e independentes e a liberdade de imprensa”, que merecem ser reconhecidos “pelo seu enorme contributo e importância na consolidação e aprimoramento da Democracia.”

Para a Assembleia Municipal de Albergaria-a-Velha, as comemorações devem ser “vividas com alegria e em partilha por todos os Democratas”, sem nunca esquecer os deveres que acarretam: “o dever de lembrar e homenagear todos os que resistiram, sofreram e lutaram contra o regime repressivo e ditatorial do Estado Novo; o dever de não defraudar Abril, a sua mensagem e todos os que arriscaram a vida para que o tivéssemos; o dever de defender a Democracia e os seus valores; e o dever de avisar e proteger os nossos jovens contra todos os pretendentes a tiranetes, cuja intenção final é de lhes calar a voz, de os subjugar e em suma tirar-lhes Abril”.

Na sessão de abertura, que teve lugar no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Albergaria-a-Velha e Valmaior, foram inauguradas duas exposições. Em “O Legado de um Cravo” contrapõe-se a vida dos portugueses durante a Ditadura (pobreza, repressão, colonialismo) e as grandes conquistas pós-25 de Abril (liberdade de expressão, igualdade de oportunidades, Estado Social). Já em “Capítulo Censura”, os visitantes podem entrar numa antiga sala de aula para conhecer os livros, discos e a imprensa censurados antes de 1974. Para falar sobre esta temática, estiveram presentes José Paulo Lourenço, Cristina Silva e os alunos Claúdio Santos e Salvador Marques, do Agrupamento de Escolas da Branca, bem como Marisa Almeida, da Biblioteca Municipal de Albergaria-a-Velha. As exposições podem ser visitadas de segunda a sábado, das 14h00 às 18h00, até ao dia 25 de Abril.

A sessão encerrou com um momento musical, com José Branco, Hugo Gamboias e Diogo Paços.

Artur Arede
Artur Arede
Desde sempre ligado à comunicação, Artur Arede passou por órgãos nacionais, bem como por órgãos regionais, Rádio Soberania, RCV, etc. Atualmente, está ligado à comunicação, como subdiretor do Aveiro TV, Correio de Sever , Ribeirinhas TV e Jornal Abrigo.
Publicidadespot_img

PARTILHAR ESTA NOTÍCIA:

Subscrever

Publicidade

spot_img

POPULARES

MAIS DESTAS NOTÍCIAS
RELACIONADOS

Em Águeda, feira promove Desporto Saúde e Bem-Estar

A Feira do Desporto, Saúde e Bem-Estar vai decorrer...

Concurso público para construção do edifício sede da CER em Águeda

A Câmara Municipal de Águeda aprovou em reunião de...

S. João da Madeira “vacina” árvores para combater pragas

Recorrendo aos serviços de uma empresa especializada, a Câmara...

Redução de resíduos indiferenciados em 6% na Mealhada

A Câmara da Mealhada iniciou a recolha de biorresíduos...
Send this to a friend